Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Notícias | Geral

enchentes no Rio Grande do Sul

'Estamos esperando uma reação nos preços', diz presidente de sindicato sobre reajuste do arroz em MT

Foto: Agência Albany Imagens

'Estamos esperando uma reação nos preços', diz presidente de sindicato sobre reajuste do arroz em MT
O presidente do Sindicato Estadual das Indústrias de Arroz de Mato Grosso (Sindarroz-MT), Rodrigo Mendonça, afirmou que o estado  pode sofrer com alterações no preço do produto devido à enchente no Rio Grande do Sul. Entretanto, ressaltou que o reajuste no preço pode não ocorrer em curto prazo.


Leia também
Falta de chuvas atrapalha crescimento de lavoura e derruba produção de soja em MT

De acordo com o último levantamento da  Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), a colheita do grão no Rio Grande do Sul estava em andamento antes da região ser afetada por uma enchente.

Rio Grande do Sul é o estado responsável por mais de 60% da produção de arroz consumido no país. Com a enchente, mais de 75% das lavouras ficaram embaixo da água.

Conforme o presidente, os mercados ainda não devem aumentar o preço do produto nas gondolas por ainda possuírem estoque. Entretanto, o preço do saco de arroz pode sofrer alterações.Existe ainda a possibilidade da venda de fardos limitados, porém, a limitação é decorrente de políticas internas das empresas.

"Não vai ter uma repercussão a curto prazo, mas vai sim ter uma repercussão. No sul, o preço do arroz já disparou. A nossa safra vai mais um mês ainda e a gente sabe que terminando a safra, os preços vão reagir. Nós estávamos esperando essa reação um mês para a frente", disse.

​O plantio do grão também é realizado em Mato Grosso. Segundo a Conab, os volumes de precipitações, ocorridos ao longo do desenvolvimento da cultura e na fase de maturação, estão propiciando bons rendimentos e boa qualidade dos grãos, apesar de haver áreas pontuais dos arrozais em que a disponibilidade hídrica foi insuficiente.

"Não vamos ver a repercussão agora de imediato porque os atacados, as indústrias ainda tem muito arroz vendido entregando nos preços normais mas agora os novos negócios já vão ser preços atualizados. Os atacados e o varejo não vai reajustar enquanto tiver um pacote de arroz no estoque com o preço antigo. Ainda é muito cedo para saber, mas estamos esperando uma reação nos preços", ressaltou o presidente.

Nesta sexta-feira (10), o Governo Federal autorizou a importação, em caráter excepcional, de até 1 milhão de toneladas de arroz pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O objetivo é recompor os estoques públicos para o enfrentamento das consequências sociais e econômicas decorrentes dos eventos climáticos extremos ocorridos no Rio Grande do Sul.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet