Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Notícias / Economia

IGP10

Soja e derivados ajudam a desacelerar inflação no atacado, diz economista FGV

A previsão do economista Salomão Quadros, da FGV, é que os preços da soja e dos seus derivados continuem desacelerando, o que terá reflexo nos índices de preços ao longo do mês. Com isso, a inflação geral para os demais indicadores calculados pela FGV - IGP-M e IGP-DI - é projetada para o mesmo patamar do IGP-10, de 0,40%.

Agência Estado

17 Out 2012 - 15:26

Mais da metade, ou 52% da contribuição para a desaceleração da inflação no atacado, em outubro, partiu da soja, demonstra o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10), divulgado nesta quarta, dia 17, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Se considerado o grupo de produtos derivados da soja e a matéria-prima bruta, a contribuição para a desaceleração no atacado chega a 68%. O complexo de produtos da soja inclui farelo, óleo bruto e óleo refinado.

A previsão do economista Salomão Quadros, da FGV, é que os preços da soja e dos seus derivados continuem desacelerando, o que terá reflexo nos índices de preços ao longo do mês. Com isso, a inflação geral para os demais indicadores calculados pela FGV - IGP-M e IGP-DI - é projetada para o mesmo patamar do IGP-10, de 0,40%. "Pode ser um pouco abaixo ou acima. Mas, certamente, será neste patamar", disse Quadros.

O IGP-10 de outubro captou que a variação do grão de soja no atacado foi de -2,52%, ante +5,46% em setembro. A variação de preços do farelo passou de +3,78% para -3,68%; a do óleo de soja bruto, de +0,55% para -3,62%; e a do óleo refinado de soja, de +4,29% para +3,38%. Os dois primeiros produtos têm impacto na taxa dos materiais e componentes para manufatura (de 0,89% para 0,55%), incluídos no grupo de bens intermediários. E o óleo de soja refinado está incluído nos bens finais (de 0,86% para 0,60%).

Já o milho respondeu por 29% da variação do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) de outubro, com variação de -4,93%. Mas a desaceleração do indicador do atacado contou também com outras pequenas contribuições, destacou Quadros. São exemplos os preços das aves (de 11,92% para 3,52%) e dos suínos (de 21,49% para -1,01%). "As aves e os suínos já haviam subido muito e agora estão devolvendo as altas".

Na categoria de bens finais, a contribuição para a desaceleração da inflação no atacado partiu, principalmente, do grupo Alimentação (de 2,00% para 1,42%), em decorrência da variação de preços do tomate (-6,89% para -33,54%). Entre os alimentos processados, contudo, não houve perda de ritmo. Neste caso, a inflação avançou de 2,35% para 2,73%, influenciada pela carne bovina (de 1,50% para 7,48%).

"Acho que a variação de preço da carne vai perder força ao longo de outubro. Em algum IGP deste mês, a taxa será menor. Ela subiu muito rápido e a tendência é que comece a acomodar agora", afirmou Quadros.

Entre as contribuições para a desaceleração do IPA, o economista mencionou ainda o resultado dos bens de investimento (de 0,43% para 0,01%), dentro da categoria de bens finais. O resultado é explicado, especialmente, pelo comportamento dos preços dos caminhões (de 0,88% para -3,02%).

"Reflete ainda uma situação difícil que o setor de caminhões encontrou neste ano", disse o economista.

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet