Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 17 de abril de 2024

Notícias | Pecuária

produzir, conservar e incluir

Mapeamento inédito mostra qualidade das áreas de pastagem em Mato Grosso

Foto: Reprodução

Mapeamento inédito mostra qualidade das áreas de pastagem em Mato Grosso
Com a meta de recuperar 2,5 milhões de hectares de áreas de pastagem de baixa produtividade até 2030, a "Estratégia: Produzir, Conservar e Incluir" (PCI), em parceria com  Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (Lapig), realizou um mapeamento inédito da qualidade das pastagens de Mato Grosso. O estudo, com dados mais precisos, vai permitir dados de maior qualidade para a tomada de decisão de atores públicos e privados no Mato Grosso. 

Leia mais
Mato Grosso se mantém na liderança com o maior rebanho bovino do país


O gerente da PCI e economista ambiental, Ricardo Woldmar, explica que a contratação do Lapig foi realizada no segundo semestre de 2022 e teve como objetivo a coleta de dados sobre a qualidade de pastagens para todos os municípios de Mato Grosso, no período entre 2015 e 2021.

O Lapig está vinculado ao Instituto de Estudos Socioambientais (IESA), da Universidade Federal de Goiás (UFG), e tem sido a principal fonte de dados de pastagens atualmente.  

Segundo Ricardo, os resultados deste trabalho vão permitir que o estado de Mato Grosso e os atores do setor de carne tenham informações mais confiáveis sobre os níveis de degradação de pastagens no Mato Grosso. Isso fará com que mais investimentos sejam feitos para aumento da produtividade da pecuária, e consequentemente, melhor otimização do uso de solo no estado.    

A médica veterinária responsável pela pesquisa, Nathália Monteiro, relata que o mapeamento é inédito em Mato Grosso.

"O Lapig usou mais de 72 mil amostras via satélite Landsat (resolução 30m) para elaborar o mapa de pastagens, e trouxemos pela primeira vez, o mapa de vigor vegetativo, para uma resolução espacial muito maior. Então, pro estado do Mato Grosso, a gente pode dizer sim que é um mapeamento inédito", detalha. 

Para se ter uma ideia, o mapa de pastagens do MapBiomas utiliza 30 mil amostras de satelite MODIS (resolução 250m) para o Brasil todo. Portanto este financiamento do Instituto PCI e IMAC permitiu uma uma melhoria significativa da precisão e confiabilidade dos dados.    

Resultados

Os resultados deste trabalho indicaram que dos 17,5 milhões de hectares de pastagens (Mha) de Mato Grosso, um total de 3,6 milhões de hectares de pastagens foram melhorados entre 2015 e 2021, sendo 0,8 Mha que subiram dos níveis de "baixo/médio" vigor para "alto" vigor e 0,8 Mha de "baixo" para médio vigor.

No entanto, um total de 5,5 Mha de pastagens perderam vigor neste período e portanto representando uma relativa piora da qualidade e vigor das áreas.      

As pastagens são a principal forma de uso e ocupação da terra, não só em Mato Grosso, mas no Brasil como um todo. "Então, acaba sendo muito importante conhecermos onde estão estas pastagens, uma vez que o seu bom aproveitamento permite o incremento de produtividade da pecuária e reduz a pressão sobre novos desmatamentos", reflete Nathália.

Para realizar o mapeamento, foram feitas uma série de trabalhos de campo, além de investimento na melhoria de dados. "O mapa de vigor das passagens que apresentamos hoje é o mapa preliminar. O próximo passo agora é incorporar esses dados de campo nos mapas finais para entrega até junho deste ano", conta.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet