Olhar Agro & Negócios

Sábado, 24 de agosto de 2019

Notícias / Pecuária

Imposto sobre saída do boi em pé será reduzido de 9 para 4%; decisão tem efeito retroativo

Da Redação - André Garcia Santana

27 Jul 2017 - 11:24

Foto: Reprodução/Gcom MT

Imposto sobre saída do boi em pé será reduzido de 9 para 4%; decisão tem efeito retroativo
Por meio de decreto publicado na quinta-feira (27), o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para a saída de boi em pé de Mato Grosso para abate em outros estados foi reduzido de 9% para 4%. A decisão regulamenta a Lei nº 10.568 e tem efeito retroativo a 1º de julho, com vigência até 30 de setembro.

Leia mais:
Medida provisória deverá reduzir a alíquota do Funrural; Padilha e Leitão discutem situação

Para usufruir do benefício concedido, os produtores devem atender aos requisitos do decreto publicado. Entre eles, emitir a Nota Fiscal com as devidas informações como valores do ICMS devido e recolhido, assim como o valor do crédito presumido.

De acordo com o secretário de Estado de Fazenda, Gustavo de Oliveira, trata-se de uma medida temporária para auxiliar esse segmento importante para a economia. “Agora, vamos monitorar o resultado dessa medida e os efeitos para toda a cadeia produtiva”,

Ele garante  ainda que a Sefaz vai disciplinar, por meio de portaria, a forma que será realizada a restituição da diferença de alíquota aplicada no período de 1º a 26 de julho. A portaria será publicada nas próximas semanas, informando os procedimentos sobre a devolução do valor excedente recolhido.

Boi vivo

Desde o início da atual gestão, o Governo vem discutindo com todos os setores da economia diversas estratégias para atingir o objetivo de fomentar o desenvolvimento socioeconômico de Mato Grosso.

O Executivo Estadual tem realizado, constantemente, ajustes no ICMS para a saída do boi em pé para apoiar a cadeia produtiva de carne neste momento de crise, que merece atenção em função dos efeitos gerados pela Operação Carne fraca e pela delação da diretoria do grupo J&F.

Somente este ano, o Governo do Estado já reduziu a alíquota de 12% para 7%, mantendo esse patamar até o mês de junho.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luiz Vicente da Costau
    28 Jul 2017 às 11:22

    Parabéns pela medida. Tudo que poder ser feito para fomentar o desenvolvimento do Agronegócio, deve ser feito por que se trata do setor que mais tem contribuído c/ a economia.

  • Samuel
    28 Jul 2017 às 11:15

    Tem que acabar com o funrural

  • alexandre
    28 Jul 2017 às 10:31

    EStado a serviço do agronegócio, ajudar o pessoal do milho tudo bem, que estão em dificuldades, mas a acrimat, o boi dormindo ? por isso taxis não reelege..

  • Edu
    28 Jul 2017 às 06:50

    Essa medida só trás benefícios para os outros estados que vão abater esses animais em seus frigoríficos, gerar emprego em suas cidades e fazer o comercio movimentar, sem falar em que qualquer produto após beneficiado agrega valor. Ou seja, o Mato Grosso perde novamente e continua sendo um estado de produção primária. Que é onde mora as menores margens de lucro e geração de empregos.

  • por justiça
    27 Jul 2017 às 14:08

    esse grupu sempre foi assim so da isisvalor aos senhores que dis se dono do dinheiro........

  • tito lampreia
    27 Jul 2017 às 13:32

    Esse governo tem por caraterista ficar do lado que mais tem $$!! Reclama que não tem $$ para saúde, Reclama que não pode pagar RGA dos func.. São governantes que prestam serviços aos poderoso em detrimento da coletividade.

Sitevip Internet