Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 07 de abril de 2020

Notícias / Pecuária

Mato Grosso não está preparado para receber status livre da aftosa sem vacinação, diz Acrimat

Da Redação - Viviane Petroli

21 Out 2015 - 14:12

Foto: Assessoria Acrimat

Mato Grosso não está preparado para receber status livre da aftosa sem vacinação, diz Acrimat
Mato Grosso ainda não está preparado para conquista o status de “Estado livre da febre aftosa sem vacinação”. As dimensões continentais de Mato Grosso e a falta de vigilância sanitária nas fronteiras são alguns dos empecilhos para tal aquisição. Para a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) é preciso investimentos a médio prazo e ações efetivas para adquirir o status.

Na segunda-feira, 19 de outubro, durante a 5ª Reunião Extraordinária da Comissão Sulamericana para a Luta contra a Febre Aftosa (Cosalfa), o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Rui Prado, solicitou Mato Grosso seja considerado área livre da aftosa sem vacinação.

Leia mais:
Setor produtivo pede que Mato Grosso seja zona livre da aftosa sem vacinação

O Estado não registra há 19 anos casos de febre aftosa, tendo-se em vista o trabalho realizado pelos pecuaristas com vacinação em duas etapas (maio e novembro).

Recentemente, como o Agro Olhar comentou, o Governo de Mato Grosso declarou possuir a meta de que até 2018 o Estado seja declarado como zona livre da doença sem a necessidade de imunização do rebanho bovino. Enquanto, o governo federal estabeleceu até 2020 a meta para que o Brasil seja declarado livre da febre aftosa sem vacinação.

Para o presidente da Acrimat, José Bernardes, Mato Grosso não está pronto para obter o status de livre da doença sem a vacinação.

“Temos dimensões continentais. Além disso, há a fronteira seca com a Bolívia de 750 quilômetros. Fazemos divisa com o Pará e Amazonas. Não há vigilância sanitárias nestas regiões adequada que permita que consigamos o status de livre da aftosa sem vacinação. Mato Grosso está avançando, mas à médio prazo, cinco anos, é preciso que os governos federal e estadual adotem ações efetivas e façam investimentos”, declarou Bernardes ao Agro Olhar.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • alex
    22 Out 2015 às 17:39

    O estado tem abrir concurso do indea-mt, só avisando que médico veterinário está deste café da manhã até seu baguncinha que você come depois da balada... fora saúde publica.

  • Roberto Renato-Afedaf I do Indea
    21 Out 2015 às 20:57

    E pelo andar da carruagem nunca estará. Tendo em vista que o Indea foi sucateado durante os governos Blairo e Silval Barbosa, e desde então vem sofrendo com os repassem "Minguados" da Sefaz. Mesmo o Indea sendo uma Autarquia com "autonomia" jurídica e Financeira, no papel, pois na prática só recebe o mínimo. Nós fiscalizamos no papel, pois na Prática faltam servidores e policiais nas Barreiras Volantes e a Divisa com o Pará, passou muito tempo sem fiscalização. Hoje tem posto instalado, más só passa nele quem está correto, sendo que aqueles que estão irregulares entram por estradas vicinais desguarnecidas.

  • SERVIDOR
    21 Out 2015 às 18:16

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet