Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Notícias / Meio Ambiente

Umidade do ar chega a 18% e Mato Grosso acumula mais de dois mil focos de calor

Da Redação - Viviane Petroli

17 Ago 2015 - 16:00

Foto: Marcos Vergueiro/Secom-MT

Umidade do ar chega a 18% e Mato Grosso acumula mais de dois mil focos de calor
Em 16 dias Mato Grosso acumulou 2.381 focos de calor. O volume equivale a 33,2% dos 7.167 focos verificados no mês de agosto em 2014. Entre 1º de janeiro e 16 de agosto o estado registrou 9.011 pontos de calor. A baixa umidade do ar é um dos fatores contribuintes para as queimadas. Em Mato Grosso a taxa de umidade relativa do ar está em 18%.

Levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelam que no Brasil, até o dia 16 de agosto, chegavam a 46.730 o número de focos de calor. Mato Grosso lidera com 9.011 focos, seguido do Maranhão com 6.305 e Tocantins com 4.484.

Ao se comparar com o intervalo de 1º de janeiro a 16 de agosto de 2014 há um registro de 5% de queda nos focos de calor. O ano passado 9.512 focos foram constatados.

Leia mais:
Metade da reserva indígena Marãiwatsédé já pegou fogo este ano
Sindicato acompanha investigação sobre incêndio em madeireira e destruiu todo maquinário

O menor índice de umidade relativa do ar, segundo a Superintendência de Proteção e Defesa Civil de Mato Grosso, foi registrado em Cuiabá e Várzea Grande de 14%. A Superintendência explica que abaixo de 12% é considerada situação emergencial.

No sábado (15) um incêndio foi registrado na beira da MT-251 de Chapada dos Guimarães. No dia 06 de agosto quatro propriedades rurais no Distrito de Deciolândia, no município de Diamantino, tiveram suas plantações de milho tomadas pelo fogo.

A reserva indígena Marãiwatsédé, principalmente nas áreas próximas à sede do município de Alto Boa Vista (1,1 mil km a Nordeste de Cuiabá), como o Agro Olhar já comentou, também tem sofrido com as ações das queimadas. Cerca de 50% dos 165,2 mil hectares da reserva já pegaram fogo, conforme denúncias das organizações não governamentais (ONGs) Operação Amazônia Nativa (Opan) e Instituto Socioambiental (ISA).

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ademir
    18 Ago 2015 às 08:23

    Não vejo sr. Governador Pedro Taques um gestor que passou pelo Palácio que tire de vez nosso estado como o pior em queimadas ano a ano, não vejo sendo comprados aviões adaptados a jogar água, não vejo o Bombeiros com infra estrutura nenhuma no estado, pois se tem, é bem reduzida, não dá para uma capital igual Cuiabá, e outras cidades do Interior, quando vamos ver a negligência neste quesito, pois se não sabem, a sociedade respirando este ar super poluído e enchendo hospitais, P.A., e rasgando dinheiro público quando poderia ser evitado, isso é negligência, mas confio em você Sr. Pedro Taques, reverta esta imagem de péssimos gestores que passaram pelo estado, e seja um diferencial.

Sitevip Internet