Olhar Agro & Negócios

Domingo, 20 de outubro de 2019

Notícias / Economia

Desenquadramento de empresas do Prodeic pode trazer R$ 300 milhões aos cofres de MT

Da Redação - Viviane Petroli

07 Abr 2015 - 11:08

Foto: Lenine Martins/GCom-MT

Desenquadramento de empresas do Prodeic pode trazer R$ 300 milhões aos cofres de MT
O desenquadramento de aproximadamente 20% das empresas contempladas pelo Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Prodeic), com redução de impostos, pode trazer de volta aos cofres de Mato Grosso entre R$ 250 milhões e R$ 300 milhões. Em 12 anos de programa 829 empresas foram beneficiadas. A suspensão será realizada em empresas com irregularidades sem solução. A expectativa do governo de Mato Grosso é em 120 dias realizar um check-list em todas as empresas do Prodeic.

Juntas as 829 empresas que estão dentro do Prodeic possuem uma projeção de investimento de R$ 20,876 bilhões e geração de 69.272 empregos diretos e 206.034 empregos indiretos.

Leia mais:
Taques anuncia pavimentação da MT-140 em Santa Rita do Trivelato
“Um dos desafios do novo governo é voltar a ter credibilidade com o empreendedor”, declara Seneri Paludo

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso, Seneri Paludo, em um relatório parcial com amostra aleatória de 20 empresas constatou-se que 100% dos processos apresentavam falhas formais e 40% falhas legais. Além disso, 75% tinham falta de algum apontamento, como por exemplo ausência de assinatura em algum documento, empresas com outro benefício (além do Prodeic). “Há casos, que encontramos, de documentos que foram extraviados dentro da própria Secretaria. Iremos criar uma clausula de exclusão das empresas que estão irregulares , coisa que hoje não há”, revela Seneri Paludo.

Das 829 empresas beneficiadas pelo Prodeic, conforme levantamento da Sedec, 663 são indústrias de transformação e 89 comércio. A maior concentração de empresas dentro do programa estão em Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis.

“O programa é uma mola propulsora para o Estado. Mato Grosso abre mão de tributos para que renda e emprego sejam geradas pela empresa, bem como o desenvolvimento regional. Porém, não estamos vendo isso na prática, visto a concentração em Cuiabá, Várzea Grande e Rondonópolis”, comenta Seneri Paludo.

Segundo o secretário da Sedec, o modelo de check-list que está sendo criado em Mato Grosso para as empresas do Prodeic é espelhado em modelos existentes em Goiás e Pernambuco. “Estamos adaptando para Mato Grosso”, salienta.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Celso
    29 Mai 2015 às 08:39

    Tem que investigar as empresas que estão no PRODEIC sim, a maioria é CNPJ de fachada, estão em nome de laranjas e vão existir enquanto valer a pena e a SEFAZ não for atrás. Quando cair na malha fina, os cara some do mapa e quem perde mais uma vez é o estado e a população, pois os empresários estão muitíssimo bem obrigado, andando em carros de luxo e morando em mansões. Abre o olho Taques, faça o que prometeu, reveja o estado de Mato Grosso como um bom agente do judiciário faria.

  • r.p
    08 Abr 2015 às 20:49

    certíssimo! regra básica : incentivos, somente para atividades pioneiras...

  • mazaropi
    08 Abr 2015 às 10:46

    Sai fora com esse pensamento cubano!

  • Che Gue Vara!
    08 Abr 2015 às 08:39

    Cortar na própria carne os senhores não querem? Por que não cortam a VI#VERBA INDENIZATÓRIA, também chamada de aberração-ostentação do funcionalismo público de elite!! O momento é de contenção e de justiça. O pobre contribuinte de MT está quebrando, e vai inviabilizar o governo...É hora de cortar na própria carne e acabar com esta injustiça chamada VI=VERBA INDENIZATÓRIA, o contribuinte de MT não quer e nem deve pagar este salário ostentação da elite .....Quem realmente trabalha neste Estado é desvalorizado. EX. Professores.

  • joaoa
    07 Abr 2015 às 18:16

    espero que consigam ver a mafia que criaram dentro do estados com esses mala pretas, e quem sabe separam oque e industria doque e troca de nota pra juntar dinheiro pra campanha de deputados. e fazendo uma deslea concorencia

  • Edson
    07 Abr 2015 às 16:09

    Agora é com o prodeic, depois vai ser com o simples, e assim vai O governo ve apenas o proprio umbigo e nao ve a quantidade de impostos que uma empresa esta submetida. Estive recentemente na PGE para regularizar a situaçao da minha empresa, mas os funcionarios informam que processo compensado e quitado em 2010 esta ate hoje aguardando analise e não tem funcionário para analisar, 5 anos sem funcionário e nós empresas que perdemos nossos incentivos.

Sitevip Internet