Olhar Agro & Negócios

Domingo, 19 de maio de 2024

Notícias | Agronegócio

Expedição Milho Brasil

Estrutura deficitária preocupa produtores; silos não comportam produção de milho safrinha

Foto: Reprodução - Ilustração

Estocagem da produção do milho safrinha será um fator crítico

Estocagem da produção do milho safrinha será um fator crítico

A Expedição Milho - levantamento técnico-jornalístico específico que discute as variáveis da cadeia produtiva do grão e seu impacto no mercado interno e na exportação, concluiu, há alguns dias, a sondagem de lavouras de inverno no Centro-Oeste do país e constatou falta de espaço nos silos da região. A falta de estrutura para armazenamento da segunda safra de milho é um problema crônico e preocupa diversos produtores do Centro-Oeste, principalmente em MT.


“Portos brasileiros não podem funcionar somente oito horas por dia”, alerta cooperativista
Setor rural será maior beneficiado com aprovação da MP dos Portos, avalia membro da FPA

Com potencial de produção de aproximadamente de 40 milhões toneladas de milho safrinha, o principal problema a ser enfrentado por produtores e poder público é como estocar parte da produção que ainda não foi comercializada, segundo a assessoria. “A supersafra de milho de inverno em 2012 fez com que as exportações se estendessem até janeiro deste ano”, explica Guilherme Haluska, analista de mercado da consultoria FCStone e integrante da Expedição Milho Brasil 2013.

De acordo com o analista, isto fez com que o milho disputasse espaço para exportação com a soja nos primeiros meses do ano. “Com esse atraso do escoamento, é provável que ainda haja estoques da soja quando a safra de milho começar a ser colhida”, alerta.

A assessoria da Expedição abre mão de dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), que revelam que a comercialização do milho está bastante atrasada em MT. “A estocagem será um fator crítico. Existe inclusive a possibilidade dos produtores pararem temporariamente a colheita do grão, por falta de espaço para armazená-lo”, explica o consultor.

No Oeste do Mato Grosso, apesar do milho ter sido semeado até o meio de março - fora da janela ideal de plantio, as lavouras surpreenderam com previsão de produtividade média de 85 sacas por hectare. No Sudeste mato-grossense, a falta de chuva por mais de 10 dias deve fazer com que a produtividade caia um pouco. Estima-se que sejam produzidas 100 sacas por hectare, 28 a menos do que no inverno passado.

Mercado

As constantes quedas no valor do milho preocupam os produtores, que esperam intervenção do governo. Os preços não param de cair em todo o estado e a tendência é negativa para a época de colheita. Hoje, a média de preço no estado está em cerca de R$ 15 por saca. Considerando o gasto de transporte para Sul/Sudeste ou Nordeste, principais consumidores do grão produzido no Centro-Oeste, o valor pago não cobre os custos, dizem os produtores.

No Oeste mato-grossense, a comercialização está parada e os compradores demonstram pouco interesse no produto.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui
Sitevip Internet