Olhar Agro & Negócios

Quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Notícias | Energia

projetos de geração distribuída

Oeste Solar e Enersim recebem investimento de R$ 250 milhões da Brasol para construir 45 usinas solares em MT

Foto: Reprodução

Oeste Solar e Enersim recebem investimento de R$ 250 milhões da Brasol para construir 45 usinas solares em MT
Em meio à corrida para implantar projetos de geração distribuída (GD) até o próximo ano e garantir os incentivos integrais obtidos para os projetos, a Brasol quer implantar 45 fazendas solares fotovoltaicas em Mato Grosso até o início de 2024, em parceria com o Grupo Oeste e a Enersim. Somados, os empreendimentos têm investimento total de R$ 250 milhões.

Leia também
Mercado imobiliário em Cuiabá volta a faturar acima de R$ 1 bi no 3º trimestre de 2023


Pela parceria, a venda da energia será feita pelo Grupo Oeste, no modelo de cotas de geração compartilhada. Já a Enersim será responsável pela construção dos empreendimentos.

Ao todo, as usinas totalizam 58 megawatts-pico (MWp), energia suficiente para atender 20 mil residências e que será destinada a atender consumidores que ainda não podem migrar para o mercado livre de energia, como bares, restaurantes e residências. “De fato são pequenos consumidores mesmo, a maioria ainda não poderá migrar para o mercado livre”, disse o diretor de investimentos da empresa, Carlos Bacha.

Captações via Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs)

Os empreendimentos obtiveram o protocolo de conexão junto às distribuidoras antes de 7 de janeiro deste ano, quando entraram em vigor as novas regras de cobrança pelo serviço de distribuição. Com isso, as usinas mantém o modelo de taxação anterior, mas rentável para o investidor. No entanto, os projetos têm prazo para entrar em operação de maneira a garantir esse benefício.

Segundo Bacha, o financiamento das usinas foi feito a partir de uma captação de R$ 100 milhões em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) com a plataforma de investimentos EQI. Esse dinheiro foi utilizado para implantar as 15 primeiras usinas. Para as demais, a companhia pretende fazer uma captação adicional de R$ 150 milhões por meio de CRIs.

Ainda no segmento de GD, a empresa analisa seis potenciais aquisições de usinas já construídas por desenvolvedores de projetos deste segmento. Para essas operações, a empresa conta com R$ 500 milhões de seu balanço, mas espera contar com a possibilidade de fazer emissões no mercado.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet