Olhar Agro & Negócios

Domingo, 21 de julho de 2024

Notícias | Emprego

Pesquisa Anual de Serviços

Ocupação no setor de serviços cresce 7,8%; região centro-oeste teve o maior aumento em número de empresas

Foto: Helena Pontes/Agência IBGE Notícias

Ocupação no setor de serviços cresce 7,8%; região centro-oeste teve o maior aumento em número de empresas
A Pesquisa Anual de Serviços (PAS) 2021 mostrou um total de 1,5 milhão de empresas ativas, com crescimento de 7,9%, frente a 2019 e de 9,2% ante 2020. Essas empresas ocupavam 13,4 milhões de pessoas, recorde da série histórica iniciada em 2007, e pagaram R$ 432,3 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações. As empresas do setor tiveram R$ 2,2 trilhões em receita operacional líquida e R$ 1,2 trilhão de valor adicionado. A PAS investiga sete segmentos, com 34 atividades no nível Brasil e 13 atividades em nível regional. 


Leia mais 
Mais de 60 mil novas empresas são abertas em MT no primeiro semestre deste ano

Entre 2012 e 2021, houve perda de representatividade do Sudeste em todos os aspectos da pesquisa. Já as regiões Sul e Centro-Oeste foram as que mais cresceram em participação. O destaque no Sul foi o aumento na composição da mão de obra, em termos de ocupação (1,7 p.p.) e salários (1,8 p.p.), enquanto no Centro-Oeste cresceu a representatividade em termos de número de empresas (1,2 p.p.) e receita bruta de serviços (0,9 p.p.).

A Gerente de Análise Estrutural do IBGE, Synthia Santana, destaca que o desempenho do setor de serviços repercutiu a recuperação dos principais indicadores macroeconômicos do País em 2021. O Produto Interno Bruto cresceu 5,0%, com destaque para o aumento de 3,7% no consumo das famílias, ante uma queda de 4,6% em 2020.

“O setor de serviços é muito ancorado no consumo das famílias e dependente do aquecimento econômico. Conforme apurado pelo IBGE nas Contas Nacionais, o setor de serviços cresceu 5,2% em 2021, após a queda de 3,7% em 2020. Esse resultado foi fortemente influenciado pelo setor de Transportes, armazenagem e correio (12,9%). A taxa de desemprego, segundo levantamento da PNAD Contínua, alcançou 11,1%, semelhante aos níveis de 2019. Isso mostra que a economia em 2021 já havia atingido os níveis pré-pandemia e os resultados do setor de serviços mostram uma situação semelhante de recuperação”, completa Santana.

Três segmentos concentram mais de 75,0% das receitas do setor de serviços

Os principais segmentos foram Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio, com a maior participação (29,3%), seguido por Serviços profissionais, administrativos e complementares (27,5%), Serviços de informação e comunicação (21,0%). Os três segmentos somam mais de 75,0% da receita operacional líquida. Os demais segmentos são Serviços prestados principalmente às famílias (9,9%), Outras atividades de serviços (8,6%), Atividades imobiliárias (2,3%), e Serviços de manutenção e reparação (1,4%).

Synthia Santana destaca a queda de participação do segmento de Serviços de Informação e comunicação, ao longo da série histórica. Em 2007, o segmento ocupava a primeira posição com 31,2%, caindo para a terceira posição com 21,0%.em 2021, sendo ultrapassado por Transportes, armazenagem e correios em 2010.

Entre as 34 atividades, os destaques são os Transportes rodoviários de cargas, que representam 12,9% da receita operacional líquida, com ganho de 2,8 p.p em relação a 2012; Serviços técnico-profissionais, 12,1% (+ 1,3 p.p.); Tecnologia da informação com 9,8% (+3,2 p.p.)., Telecomunicações 8,2% (- 6,1 p.p.); e Armazenamento e atividades auxiliares aos transportes, 7,0% (+1,0 p.p.).

“Dessas cinco principais atividades, apenas Telecomunicações perdeu participação em dez anos. A perda de participação do segmento de Serviços de Informação e Comunicação, deve-se à queda da atividade de Telecomunicações, pois tecnologia da informação tem crescido, sendo a atividade que mais ganhou participação ao passo que a que mais perdeu foi telecomunicações”, analisa a gerente.

Entre 2020 e 2021, ocupação cresce 7,8%

Em 2021, o setor de serviços empregava 13,4 milhões de pessoas. Entre 2019 e 2021, houve aumento de 4,5% no número de vagas com o acréscimo de 574,3 mil ocupações, impulsionado pelo crescimento de 572,4 mil (10,8%) nos Serviços profissionais, administrativos e complementares; 142,7 mil (13,4%) nos Serviços de informação e comunicação, em contraposição à redução de 242,5 mil (-8,5%) nos Serviços prestados principalmente às famílias. Em relação à 2020, houve uma alta de 7,8%.

“Passados os efeitos imediatos da pandemia, o setor de serviços conseguiu recuperar os níveis de ocupação de 2019. Entre as exceções está Serviços prestados principalmente às famílias, que teve com queda de 8,5% na ocupação, devido à redução na atividade de serviços de alimentação. Mas houve recuperação em atividades imobiliárias (+ 21,9%), Outras atividades de serviços (+14,5%); Serviços de informação e comunicação, (+13,4%) e serviços profissionais, administrativos e complementares (+10,8%)”, destaca Santana.

Entre 2020 e 2021, a maior variação na ocupação foi em Intermediação na compra, venda e aluguel de imóveis (24,7%), seguida por Tecnologia da informação (17,4%) e Atividades de ensino continuado (16,8%). Já as maiores quedas foram em Transporte dutoviários (8,5%), Correio e outras atividades de entrega (2,6%) e Transporte de passageiros (2,4%).

Serviços profissionais, administrativos e complementares respondem por 43,5% da ocupação

A atividade com mais pessoas ocupadas é Serviços profissionais, administrativos e complementares, com 5,9 milhões de postos de trabalho, o equivalente a 43,5% do total de ocupados no setor de Serviços. Em seguida vêm Serviços prestados principalmente às famílias (2,6 milhões), Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios (2,5 milhões) e Serviços de informação e comunicação (1,2 milhão).

Entre 2019 e 2021, as reduções mais intensas no número de postos de trabalho ocorreram em Serviços de alimentação (223,7 mil), Transporte de passageiros (110,8 mil) e Agências de viagens, operadores turísticos e outros serviços de turismo (20,9 mil).

Concentração nas oito maiores empresas do setor de serviços cai a 7,4%

A PAS registrou 1,5 milhão de empresas atuando no setor de serviços em 2021. Dessas, 74,7% estavam nos segmentos de Serviços profissionais, administrativos e complementares (562,4 mil), nos Serviços prestados principalmente às famílias (385,7 mil) e em Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (166,6 mil).

Em 10 anos, a concentração de receita no setor de Serviços nas 8 maiores empresas, medida pelo indicador R8, passou de 10,2% para 7,4%. A concentração diminuiu sobretudo em dois dos principais segmentos: Serviços de informação e comunicação (de 37,2% para 32,1%) e Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (de 16,6% para 11,7%).

Das cinco atividades com indicador de concentração R8 acima de 50% em 2021, quatro pertenciam ao segmento de Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio. Eram elas: Transporte dutoviário (R8 de 100,0%), Transporte aéreo (R8 de 92,1%), Correio e outras atividades de entrega (81,8%) e Transporte metroviário e ferroviário (73,8%). A quinta atividade com maior concentração foi Telecomunicações (R8 de 70,4%).

Em 10 anos, salário médio caiu de 2,3 para 2,2 salários mínimos

O salário médio mensal recuou, passando de 2,3 salários mínimos (s.m.), em 2012, para 2,2 s.m. em 2021. Serviços de informação e comunicação (4,5 s.m.) continuou com a maior remuneração, seguido por Outras atividades de serviços (3,6 s.m.), influenciado por serviços auxiliares financeiros. O terceiro maior salário vem de Transportes, serviço auxiliares aos transportes e correios (2,6 s.m.). Os salários das três atividades estavam acima da média (2,2 s.m.).

Região Sudeste perde participação em 10 anos, mas mantém liderança

O Sudeste concentrou 65,1% do total da receita bruta de serviços, seguido pelo Sul (14,7%), Nordeste (9,8%), Centro-Oeste (7,8%) e Norte (2,7%). Em 2021, a Região Sudeste manteve as maiores participações em número de empresas; receita bruta de serviços; salários, retiradas e outras remunerações e pessoal ocupado. As Regiões Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte vinham a seguir, nessa ordem.

Setor de Transportes é o mais importante em três das cinco Grandes Regiões

Em 2021, o segmento de Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio teve maior participação em três Regiões do país: Norte (39,8%), Centro-Oeste (36,0%) e Sul (34,7%), com destaque para o transporte rodoviário, que inclui tanto o transporte de passageiros quanto o transporte de cargas, responsável por 15,2%, 25,6% e 22,6% da receita bruta de serviços nessas regiões, respectivamente. No Norte, o setor de Outros transportes – ferroviário/metroferroviário, dutoviário, aquaviário e aéreo – foi o principal, com 17,3%. Os Serviços profissionais, administrativos e complementares lideraram no Nordeste (31,4%) e no Sudeste (27,3%).

De 2012 a 2021, todas as regiões registraram redução nos salários médios, medidos em salários mínimos. A Região Nordeste se manteve com os menores valores ao longo de todo o período, pagando em média 1,6 salários mínimos em 2021. Por outro lado, o Sudeste mostrou os maiores salários, com uma média de 2,5 salários mínimos, sendo a única região com remuneração acima da média nacional para o setor (2,2 salários mínimos mensais).  

(Com informações da assessoria)
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet