Olhar Agro & Negócios

Sábado, 23 de outubro de 2021

Notícias / Emprego

Contra o ritmo nacional

Mato Grosso apresenta 4ª menor taxa de desocupação do país, mostra levantamento do IBGE

Da Redação - Michael Esquer

28 Mai 2021 - 09:26

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Mato Grosso apresenta 4ª menor taxa de desocupação do país, mostra levantamento do IBGE
Contrariando o ritmo nacional, a taxa de desocupação de Mato Grosso no primeiro trimestre de 2021 atingiu 9,9%, a 4ª menor do país, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta quinta-feira (27). O estado fica atrás apenas de Santa Catarina (6,2%), Rio Grande do Sul (9,2%) e Paraná (9,3%). No país, o número representa 14,7% da população. 

Leia também:
Seduc adia início das aulas em sistema híbrido, enquanto municípios estiverem com classificação de risco alto

De acordo com o levantamento, o número apresentou uma diminuição de 3.8 pontos percentuais em relação ao quarto trimestre do ano passado (outubro-novembro-dezembro), que tinha 10,3% de desocupação no estado. No restante do país, a taxa de desocupação avançou em oito unidades da Federação. Os maiores aumentos foram no Tocantins (5,8 p.p.), Pará (2,9 p.p.), Maranhão (2,5 p.p.) e Piauí (2,5 p.p.).
 
As maiores taxas de desocupação foram em Pernambuco e Bahia (ambos com 21,3%), seguidos por Sergipe (20,9%) e Alagoas (20,0%). 

Empregados com carteira assinada 

Sobre o percentual de empregados com carteira de trabalho assinada, Mato Grosso apresentou número positivo, ficando acima da média nacional (75,3%) com 76,8% de empregados no setor privado. Os maiores percentuais estão em Santa Catarina (88,4%), Rio Grande do Sul (84,7%), Paraná (83,8%) e São Paulo (82,7%) e os menores, no Maranhão (48,0%), Piauí (54,5%) e Pará (54,6%).

Percentual de informalidade

No percentual de informalidade, porém, o estado está acima da média nacional (39,6%) com 40,8% dos empregados enquadrados nas seguintes funções: Empregado no setor privado sem carteira de trabalho assinada; Empregado doméstico sem carteira de trabalho assinada; Empregador sem registro no CNPJ; Trabalhador por conta própria sem registro no CNPJ; Trabalhador familiar auxiliar.

As maiores taxas ficaram com Maranhão (61,6%), Amazonas (59,6%) e Pará (59,0%) e as menores, com Santa Catarina (27,7%), Distrito Federal (29,3%) e São Paulo (29,5%).

Taxa composta de subutilização

Em relação à taxa composta de subutilização da força de trabalho (percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação à força de trabalho ampliada), no 1° trimestre de 2021, Mato Grosso teve a segunda menor porcentagem: 16,7%, ficando atrás apenas de Santa Catarina (11,9%). 

As maiores taxas foram registradas no Piauí (48,7%), Maranhão (47,3%), Alagoas (46,9%) e Bahia (44,8%) e as menores no Paraná (18,7%), Rio Grande do Sul (18,8%) e Mato Grosso do Sul (22,2%). 

Rendimento mensal

O rendimento médio real habitual de todos os trabalhos das pessoas ocupadas, no primeiro trimestre de 2021, Mato Grosso acompanha de perto a tendência nacional, sendo o índice mato-grossense estimado em R$ 2.426 e o do Brasil em R$ 2.544. 

Os maiores rendimentos foram do Distrito Federal (R$ 4.345), Rio de Janeiro (R$ 3.264) e São Paulo (R$ 3.202) e os menores, do Maranhão (R$ 1.484), Piauí (R$ 1.569) e Bahia (R$ 1.597).
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet