Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 07 de julho de 2020

Notícias / Economia

Enchente em SP faz preço de legumes e verduras aumentar até 50% na grande Cuiabá

Da Redação - Wesley Santiago

19 Fev 2020 - 09:42

Foto: Luciana Cury/Assessoria Seaf

Enchente em SP faz preço de legumes e verduras aumentar até 50% na grande Cuiabá
A enchente que atingiu a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) na semana passada, causando prejuízo estimado de R$ 24 milhões na maior central atacadista da América Latina, também trouxe impactos negativos a Cuiabá e região. Em apenas uma semana, os preços de verduras e legumes registraram aumento superior a 35%, na Central de Abastecimento de Cuiabá.

Leia mais:
Preço do etanol começa a cair em postos da Grande Cuiabá
 
Segundo o técnico da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), Luiz Henrique Carvalho, como boa parte da reposição dos produtos hortifrutigranjeiros em Cuiabá vem da Ceagesp, o impacto da chuva por lá aumentou o preço dos produtos aqui.
 
“Como compramos muitos produtos que vem de São Paulo, qualquer problema que lá ocorra, nos atinge aqui. A Ceagesp abriga 30% de tudo que comercializado em centrais de abastecimento de todo o país, e, portanto, qualquer impacto negativo lá, irá atingir não somente a Cuiabá, mas praticamente em todo o país”, comenta Carvalho. O engenheiro agrônomo explica que com a oferta reduzida e a demanda em alta, os preços dos produtos acabaram sendo elevados.
 
Segundo levantamento de preços realizado pela Seaf, os itens com alta significativa nos preços são: abobrinha, berinjela, chuchu, jiló, pimenta de cheiro, vagem e a cenoura. O jiló, a pimenta-de-cheiro e a berinjela subiram 40%. A cenoura e o chuchu 50%, a vagem 33%, e a abobrinha 27%.
 
Há sete dias a cenoura e o chuchu eram vendidos a R$ 40 a caixa com 22kg. Hoje essa mesma quantidade vale R$ 60. O jiló e a pimenta-de-cheiro custavam R$ 50 a caixa com 15kg e 8kg, respectivamente. Passados sete dias subiram para R$ 70. Já caixa com 12 kg de berinjela tinha o valor de R$ 25, e nesta semana passou para R$ 35.  A vagem saltou de R$ 60 para R$ 80 a caixa com 12kg, e a abobrinha de R$ 40 para R$ 50 a caixa com 19kg.
 
Com a normalização do funcionamento da Ceagesp, que ficou dois dias fechada para o serviço de limpeza, a estimativa é pela normalização do preço dos hortifruti em Cuiabá na próxima semana.
 
Cotação
 
A cotação de preços dos 69 principais itens produzidos pela agricultura familiar é realizada semanalmente, por técnicos da Seaf, Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e Prefeitura de Cuiabá. A pesquisa de preço leva em conta o preço mínimo, mais comum, e o preço máximo dos produtos encontrados nas barracas em três horários distintos durante o período matutino.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marina
    20 Fev 2020 às 19:37

    Interessante que moro em SP e aqui mesmo nao obtivemos aumento algum. Tudo igual na feira, mercados e supermercados.

  • Zeca
    20 Fev 2020 às 08:42

    Mato Grosso é um dos estados que mais tem assentamentos para a agricultura familiar. Só que os produtos que chegam nos supermercados em todo o estado vem do sul e sudeste do Brasil. Cadê a produção da agricultura familiar? O que fazem? Ganham a terra, casa, energia elétrica instalada, cestas básicas, financiamentos praticamente sem juros e quem produz para o mercado mato-grossense são outros estados? inda bem que temos os grandes produtores de soja, milho, arroz, feijão, girassol, algodão, que nos tira essa vergonha!

  • Phenomboy
    19 Fev 2020 às 11:36

    Agricultura familiar em MT é uma utopia.

Sitevip Internet