Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 08 de abril de 2020

Notícias / Agronegócio

Sedec aposta em exportação para novos mercados com fim da vacinação contra febre aftosa

Da Redação - José Lucas Salvani

16 Fev 2020 - 15:48

Foto: Mayke Toscano/ Secom MT

Sedec aposta em exportação para novos mercados com fim da vacinação contra febre aftosa
O fim da vacinação contra a febre aftosa pode resultar em exportação de gado para novos mercados. A aposta é do secretário de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec-MT), César Miranda. O presidente do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), Tadeu Mocelin, anunciou que a partir de maio as cidades de Rondolândia, e partes dos municípios de Colniza, Comodoro, Juína e Aripuanã, serão as primeiras a não aplicar a vacina.

Leia mais:
A partir de maio, cinco cidades de MT não terão vacinação contra febre aftosa; todo o estado em 2022

“No hora que nós atingirmos o status de um estado de sem aftosa e sem vacinação, isso abre a oportunidade de outros mercados que Mato Grosso e Brasil não acessam, que possuem uma exigência maior”. A previsão é que o estado esteja livre de vacinação a partir de 2022.

A paralisação de vacinação nas cinco cidades atinge aproximadamente 300 mil cabeças de gado. A última etapa da vacinação contra a febre aftosa atingiu 14.381.319 cabeças de gado de até dois anos. A cobertura é de 99,85%, o que resulta aproximadamente 19 mil cabeças sem vacina. A partir de agora, será verificado in loco o que aconteceu para tais vacinações não acontecerem. Dependendo do caso, o proprietário rural pode ser multado.

“Serve de alerta para nós olharmos. Como falei, está bom, perto do ótimo, mas o ideal é que o estado inteiro atinja o mesmo índice. Então, nessas regiões nós temos que ver o retorno e qual o motivo de ter atingido um pouco abaixo do restante do estado”, explica o presidente do Indea-MT.

Cobertura de 99,85%

As mais de 14,3 milhões de cabeças vacinadas, cerca de 99,85% estão espalhadas em 101.187 propriedades rurais em Mato Grosso. Apenas 602 não apresentaram registro de vacinação e entre as 101 mil propriedades, 3.013 foram acompanhadas pelo Indea-MT. Entre as 14 regionais, Alta da Floresta obteve cobertura de 99,88%
.
O último foco de febre aftosa em Mato Grosso aconteceu em 1996. O estado é reconhecido como livre de febre aftosa com vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e “caminha para a retirada da vacina”, explica Daniella Bueno, diretora-executiva da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet