Olhar Agro & Negócios

Domingo, 17 de novembro de 2019

Notícias / Meio Ambiente

Professor contesta aquecimento global e diz que ação do homem não influencia temperatura do planeta

Da Redação - Vinicius Mendes

20 Out 2019 - 10:05

Foto: Olhar Direto

Professor contesta aquecimento global e diz que ação do homem não influencia temperatura do planeta
O professor doutor em Geografia Física – área de climatologia antártica, Ricardo Felício, que esteve em Mato Grosso na última semana, afirma que a ação do homem no planeta terra não influencia a temperatura e que aquecimento global é um mito propagado por países ricos na tentativa de atrasar o desenvolvimento de países emergentes como o Brasil. Ele explicou que, historicamente, as temperaturas do planeta sempre oscilaram, que a própria ideia de clima é variabilidade e que existe diferença entre o clima planetário e os microclimas que sentimos nos ambientes urbanos.
 
Leia mais:
Produtores de soja promovem em MT palestras de professor que contesta aquecimento global
 
Ricardo Felício tem um currículo acadêmico de peso. Ele é bacharel cientista em Meteorologia pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em meteorologia antártica pelo INPE, doutor em Geografia Física, área de climatologia antártica pela USP. Ele afirmou que o clima sempre muda e que o planeta já passou por um período relativamente mais frio no passado recente, sendo este período utilizado como referência pelo Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU) para defender o aquecimento global.
 
O professor disse que neste período houve uma menor atividade solar, mas que ela foi aumentando até o ano de 1957, aproximadamente. Depois disso, ele explicou, a atividade do sol diminuiu novamente, fazendo com que as temperaturas caíssem.
 
“Isto faz parte do ciclo natural do planeta terra, atribuir este fenômeno à atividade humana é disparate, porque não tem isso registrado na história do planeta, sempre são ciclos naturais em que você tem aumento e diminuição de temperaturas, mexe no ciclo hidrológico e nada disso tem interferência do ser humano. O ser humano sofre as ações do clima e tem que sempre se adaptar, tanto os métodos produtivos quanto a sua sobrevivência”, disse.
 
Felício também rebateu a teoria de que a atmosfera da terra trabalha como uma “estufa”. Ele defende que, na verdade, a atmosfera da terra é um grande “amortecedor”, que não deixa que o planeta resfrie absurdamente e nem esquente absurdamente.
 
“A atmosfera é radiativa na estratosfera, onde se forma ozônio, onde tem outros processos, mas próximo à superfície, onde tem a troposfera, o processo é convectivo, ou seja, a troposfera trabalha do quente que está embaixo para o frio que está em cima, então é uma impossibilidade física que um fluido frio esquente uma superfície quente, é física básica, então não dá para admitir que a atmosfera trabalha como uma estufa”, disse.
 
Ricardo garante que a ação humana não provoca qualquer influência nas alterações de temperaturas do planeta.  Ele afirma que o aumento de CO2 na atmosfera, liberados pelo homem, não é maior do que o que já é liberado naturalmente, portanto não causa qualquer impacto.
 
“O que a gente observa, não só no agronegócio, mas em qualquer atividade humana, a relação escalar do homem com o meio ambiente é muito pequena, então se tem algum problema ambiental é de micro escala, que a gente usa a tecnologia para resolver. Falar que emitir CO2 muda a composição química da atmosfera, isso é mito, completo, porque todos os gases da atmosfera trabalham de forma convectiva, e as maiores fontes de CO2 que nós temos na natureza são de forma natural, os oceanos, vulcões. Então não tem como a gente falar que a ação humana muda a composição química da atmosfera, porque a física que está envolvendo isso não se sustenta”.
 
O doutor acredita que o argumento do aquecimento global é propagado por interesses geopolíticos. Ele diz que países ricos tem interesse em atrasar o desenvolvimento de países emergentes como o Brasil e por isso tentam impor esta visão.
 
“Sociedades emergentes, que são os países subdesenvolvidos, cada vez têm mais dificuldades em se desenvolver, porque são colocados sempre estes entraves em cima dos métodos produtivos. Por exemplo, estão lá falando que vão taxar o G20, vocês acham que o pessoal dos países ricos vão fazer isso? Não vão, a exemplo está aí a Alemanha, encerrando as usinas nucleares, tendo altas dificuldades em gerar energia com eólicas e está queimando carvão, que solta enxofre na atmosfera, isso sim é tóxico. A França, por exemplo, tem 77% de sua matriz energética nuclear, e os reatores nucleares franceses estão dando muitos problemas, então no final das contas eles vão voltar a queimar carvão”.
 
Ele cita que até mesmo líderes que se posicionam contra as teorias do aquecimento global, como nos Estados Unidos e Rússia, não querem que o Brasil saia dos acordos ambientais internacionais, como o acordo de Paris, que rege medidas de redução de emissão de gases estufa.
 
“Por exemplo, Putin e Trump são dois grandes estadistas nos seus países, eles falam categoricamente que aquecimento global é fraude, eles não concordam com o acordo de Paris, mas nenhum deles apóia que o Brasil saia, então isso é evidente, eles falam isso porque eles fazem nos países deles, mas nenhum deles defende que o Brasil saia, porque eles têm interesse em cima da gente, como a China também tem interesse. China e índia inclusive também não defendem esta hipótese e adiam todos os protocolos o máximo que podem, o Brasil aceita todos”.
 
O professor não nega que existam alterações climáticas, porém afirma que nenhuma delas tem relação com a ação do homem no planeta. Ele diz ainda que até mesmo desmatamento e expansão de cidades não provocam qualquer alteração na temperatura do planeta como um todo.
 
“Amazônia representa 1% da superfície do planeta terra, então você não está queimando e destruindo a Amazônia inteira, então não é nem 1% total, isso não influenciaria a temperatura, então a gente tem que tomar muito cuidado com estas relações escalares. Por exemplo, cidades mudam o clima da terra? Ridículo isso, porque as cidades do planeta representam 0,05% da superfície. A maior parte da população, nos últimos 20 anos, está nas cidades, aí você tem esta sensação de microclima urbano e acha que isto está no planeta, mas não está, tem que tomar cuidado para diferenciar o que é microclima e clima planetário”.
 
Felício também afirma que não é contra a preservação do meio ambiente, apenas defende que a temperatura do planeta não é influenciada pela ação do homem. Ele diz que a sociedade deveria focar em problemas ambientais reais, como a poluição de fontes hídricas.
 
“Tem que descolar o discurso, uma coisa é falar de aquecimento global, que o homem está mudando o clima, e outra coisa são os cuidados que nós temos que ter com o meio ambiente, por exemplo, algo que ninguém fala é saneamento básico, que o Brasil ainda carece absurdamente, e 90% dos nossos problemas ambientais estão relacionados a saneamento básico”.
 

40 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Francisco
    22 Out 2019 às 17:02

    Tai um cara correto em quem acredito. Não é como um monte de "batedores de carteira" terroristas que mentem sem qualquer conhecimento só pra tomar dinheiro de incautos.

  • Eli
    22 Out 2019 às 15:51

    A ação humana causa aquecimento global? Melhores climatologistas mundiais: sim Ele: não

  • Marta
    22 Out 2019 às 14:37

    Desmatamento na Amazônia está prestes a atingir limite irreversível se atingir 40%. Atualmente já foram desmatados 15% - FAPESP.

  • benedito lima ferreira
    22 Out 2019 às 10:33

    Falou tudo professor ... o que os países desenvolvidos menos querem é mais competição com países emergentes. " FARM HERE FORESTS THERE !! " Busquem na internet e vejam a aula de um professor EMBRAPA.

  • Sue
    22 Out 2019 às 10:13

    Mark Maslin, professor de climatologia da Universidade de Londres, afirma que estes estudos comprovam a atuação do ser humano.“Este artigo mostra a diferença verdadeiramente nítida entre as mudanças regionais e localizadas no clima do passado e o efeito verdadeiramente global das emissões antropogênicas de gases de efeito estufa”, explica.

  • Gab
    22 Out 2019 às 10:12

    Os que negam a participação do ser humano no aquecimento do planeta dizem que este é um processo natural e que a Terra já passou por fases parecidas antes. Os cientistas, porém comprovaram que todas as alterações climáticas ocorridas, pelo menos nos últimos dois mil anos, eram pontuais. Nunca houve a quebra de recordes de temperatura ano após ano de forma tão intensa em todos os continentes simultaneamente.

  • Mel
    22 Out 2019 às 10:11

    É consenso entre 99% dos cientistas de que o aquecimento global é causado por ações do ser humano. O pesquisador John Cook, autor de um estudo que analisou qual parcela do meio científico apoiava esta tese em 2013, afirmou que de lá para cá o número de estudiosos que acreditam que o aquecimento global não é um processo normal do planeta alcançou quase que à unanimidade.

  • Will
    22 Out 2019 às 09:48

    Por que a Amazônia é vital para o mundo? 1) Floresta leva umidade para toda a América do Sul 2) influencia regime de chuvas na região 3) contribui para estabilizar o clima global 4) Tem a maior biodiversidade do planeta.

  • Moacir
    21 Out 2019 às 16:41

    Esse rapaz foi candidato do PSL e faz discurso para o agronegócio... Será que não é também um discurso político??

  • Pedro Coelho
    21 Out 2019 às 16:30

    Professor não atinge diretamente o aquecimento global certo? pelos comentários abaixo muitos não entenderam.

Sitevip Internet