Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 22 de julho de 2019

Notícias / Logística

MP de Contas contraria análises técnicas e contesta renovação de concessão para trazer ferrovia a Cuiabá

Da Redação - Vinicius Mendes

12 Jul 2019 - 17:21

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União

O Ministério Público Especial do Tribunal de Contas da União (MPTCU) se manifestou contrário à renovação antecipada da concessão ferroviária da Malha Paulista, operada pela Rumo, empresa de logística controlada pelo Grupo Cosan. A Rumo, que busca renovação para mais 30 anos, detém a concessão do Complexo Intermodal de Rondonópolis (CIR) e ficaria encarregada de fazer investimentos de R$ 7 bilhões na Malha Paulista, além de trazer a rodovia a Cuiabá. O Pleno do TCU ainda deve decidir sobre o caso, podendo não seguir o MP.
 
Leia mais:
Ferrovia poderia trazer 20 milhões de toneladas de carga industrial para Cuiabá por ano
 
O parecer foi dado pelo procurador Júlio Marcelo de Oliveira, que disse não ver vantagens à sociedade brasileira na renovação, opinando pela realização de uma nova licitação. No entanto, a renovação da concessão por 30 anos já tinha ganhado aval da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e da área técnica do TCU, mediante algumas alterações.
 
O relator do processo, ministro Augusto Nardes, do TCU, ainda deve elaborar seu relatório final, podendo não seguir o parecer do Ministério Público de Contas, e o encaminhar ao Pleno do TCU.
 
Mesmo com o parecer contrário, o procurador ainda incluiu uma série de recomendações de mudanças no aditivo, caso o TCU opte pela renovação, como por exemplo a quitação de dívidas.
 
Empenho do Governo Federal
 
A chamada Ferrogrão, que concentrará a construção da Ferrovia Integração Centro-Oeste (Fico) e o prolongamento da Ferronorte, deverá passar por Cuiabá e ser estendida até Lucas do Rio Verde, totalizando 1.180 km de extensão.
 
Um projeto que confirma a viabilidade técnica e econômica da ferrovia foi elaborado pela Rumo e apresentado ao ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas no mês passado. Em visita ao Complexo Intermodal de Rondonópolis (CIR) ele prometeu empenho do Governo Federal na agenda acima.
 
Tarcísio não estabeleceu data para que as obras sejam licitadas, mas disse que a expectativa é de que aconteça ainda este ano.  A negociação depende, além do apoio político, do posicionamento de órgãos como a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e o Tribunal de Contas da União (TCU).
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Elias
    13 Jul 2019 às 13:27

    Sempre tem uns filho do capeta para atazanar o desenvolvimento de Cuiabá . Qual o interesse será . Alguém pode explicar?

  • Paquetá
    13 Jul 2019 às 08:53

    Estão colocando entraves, para tentarem "morder" algum" Mas se esquecem que hoje, quase tudo se sabe e quase tudo se vê! CADEIA NELES! ERA SILVAL E TAQUES ACABOU!

Sitevip Internet