Olhar Agro & Negócios

Domingo, 19 de maio de 2024

Notícias | Agronegócio

reconhecimento

Brasil e EUA trocam cartas nesta segunda-feira para exportação de carne bovina

Foto: Reprodução/Internet/Ilustração

Brasil e EUA trocam cartas nesta segunda-feira para exportação de carne bovina
O Brasil e os Estados Unidos trocam na tarde desta segunda-feira, 1º de agosto, cartas de reconhecimento de equivalência dos controles oficiais de carne bovina entre os dois países. O acordo de exportação de carne bovina in natura entre os dois mercados foi fechado no último dia 28 de julho, após cerca de 17 anos de negociações.


As tratativas entre Brasil e Estados Unidos iniciaram em 1999, ainda no segundo mandato do governo Fernando Henrique Cardoso. O acordo de liberação foi fechado em Washington, durante o IX Comitê Consultivo Agrícola (CCA).

Leia mais:
Embarques de carne in natura para EUA iniciam em 90 dias

A expectativa é que os embarques de carne bovina in natura do Brasil comecem em até 90 dias.

A troca de cartas de reconhecimento de equivalência dos controles oficiais de carne bovina entre os dois países será em Brasília (DF). Estão previstas a participação de entidades produtivas do Brasil, como a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), indústria e autoridades, como o governador de Mato Grosso, Pedro Taques.

Durante cumprimento de agenda na última sexta-feira, 29 de julho, o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Eumar Novacki, pontuou que os Estados Unidos é um país conhecido como um mercado "muito rigoroso com os produtos que chegam dos mercados internacionais". "Essa troca é bastante positiva para os países e principalmente para o Brasil pelo saldo da balança comercial".

O superintendente da Acrimat, Francisco Manzi, destacou ao Agro Olhar, durante reunião do setor produtivo de carne com o Ministério da Agricultura e Pecuária, na última sexta-feira, 29 de julho, que o acordo com os Estados Unidos possibilitará a abertura de novos mercados para o Brasil. “Os Estados Unidos é como se fosse o ISO do mercado exterior, ou seja, ele é referência para outros importadores”.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet