Olhar Agro & Negócios

Domingo, 25 de agosto de 2019

Notícias / Agronegócio

Presidente da Famato revela ter horta orgânica e concorda que ideal seria não usar agrotóxicos

Da Redação - Jardel P. Arruda

22 Set 2015 - 16:43

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Presidente da Famato revela ter horta orgânica e concorda que ideal seria não usar agrotóxicos
O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Rui Prado, possui uma horta orgânica em casa, da onde tira algum alimento para consumo pessoal. Ou quase orgânica, já que o fumo usado por ele para a calda, um herbicida natural, não é orgânico, mas ele admite: "Bom seria só essa produção, mas não temos tecnologia para produzir 200 milhões de toneladas de alimento com agricultura orgânica".

A declaração foi dada durante audiência pública realizada na segunda-feira (22), na Assembleia Legislativa, para discutir o uso de agrotóxicos em Mato Grosso. O Estado é o maior usuário mundial de defensivos agrícolas - venenos para diferentes pragas que atingem a população - e pesquisas da UFMT e Fiocruz apontam efeitos colaterais dessa prática, como casos de câncer, má formação e danos ao meio ambiente.

Leia mais:
Exportações de Mato Grosso para a China caem 27%; país segue principal cliente

Por sua vez, Rui Prado comentou que é necessário avançar cada vez mais com as tecnologias, para então ser possível diminuir o uso dos agrotóxicos utilizados. Enquanto isso, ele defende ser necessário continuar a aplicação dos defensivos agrícolas. "Queremos uma tecnologia para fazer menos uso de agrotóxicos, mas essa tecnologia não está pronta ainda. (...) E o fumo que uso para o caldo de fumo vem de uma plantação, provavelmente do sul, com alto uso de agrotóxicos."



O deputado Wilson Santos (PSDB), um pequeno produtor de limão orgânico e autor do pedido pela audiência pública, mostrou-se surpreso com as declarações de Prado. “Nunca vi advogado melhor da agricultura orgânica do que o Rui Prado. E quanto ao fumo que você compra, eu te garanto que eu uso um totalmente orgânico”, concluiu.

Os problemas

O Brasil usa 14 agrotóxicos de várias partes do mundo, como Estados Unidos, Japão e União Europeia. Mato Grosso é o único estado brasileiro a permitir a pulverização de defensivos agrícolas a 90 metros de distância de construções com o uso de trator, sendo a distância mínima dos outros é 300 metros. E mesmo assim é fácil encontrar plantações a menos de 15 metros de escolas em vilas agrícolas no interior de MT.

Esses são alguns dos problemas elencados mais rapidamente por Leomar Daroncho, do Ministério Público do Trabalho, Franciléia de Castro, da Fundação Oswaldo Cruz e o professor da UFMT Wanderlei Pignati, médico e doutor em Toxicologia que coordena pesquisas sobre agrotóxicos em Mato Grosso. Pra embasar a discussão, só o professor da UFMT ofereceu 26 referências bibliográficas sobre o assunto, todos os trabalhos publicados em revistas nacionais e internacionais.


(Leomar e Pignati)

Leomar lembrou como Charles Darwin foi rechaçado na época da publicação do livro Origem das Espécies, tendo seu valor cientifico reconhecido somente mais tarde, e comparou às criticas feitas aos trabalhos que alertam para os perigos dos agrotóxicos. O representante do MPT lembrou que a publicação dos EUA Neurodevelopmental Disorder And Prenatal já alertou para o risco de nascimento de crianças com autismo ser 60% maior em áreas até 1,6 quilômetros do uso de agrotóxicos.

Já a mestranda Franciléia Paula de Castro, técnica da Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional e representante da Fiocruz, alertou para a necessidade do aplicação do Programa Nacional de Redução do Uso do Agrotóxico (Pronara), elaborado pela Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (CNAPO), a qual é formada paritariamente por membros do governo e da sociedade civil organizada.

São seis eixos principais. O primeiro se refere ao “Registro”, no qual visa garantir a participação da sociedade na avaliação dos agrotóxicos, facilitar o acesso as informações técnicas, a reavaliação dos defensivos banidos em outros países, e outras ações. O segundo trata do “Controle e Responsabilização da Cadeia Produtiva”, no qual estão listadas medidas como apoio a pesquisas sobre o impacto dos agrotóxicos no meio ambiente, aplicação do princípio poluidor pagador, proibição da pulverização aérea e monitoramento da saúde.

Outros eixos tratam de Medidas Econômicas e Financeiras, Desenvolvimento de Alternativas, Informação, Participação e Controle Social e, o último, Formação e Capacitação. Para mais detalhes sobre todos os eixos do Pronara, clique AQUI e faça download da cartilha.

Água contaminada

O Glifosato foi recentemente considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como 2A – possivelmente cancerígeno a seres humanos. Isso significa que ele causa câncer em pelo menos outras quatro espécies de mamíferos. No entanto, ele continua sendo usado livremente no Brasil.

Este é um agrotóxico indiretamente proibido na Alemanha e França – lá os transgênicos são proibidos e esse defensivo agrícola não é seletivo, portanto, se a cultura não for modificada para ser resistente a ele, morre junto às ervas daninhas. Então, nada produzido com Glifosato pode ser vendido produzido lá.


(Em vermelho, municípios com água acima do valor máximo permitido de agrotóxicos)

Esse alerta foi feito pelo professor doutor Wanderlei Pignati. Ele chefia uma equipe com mais 12 pesquisadores, conta com o apoio dos técnicos dos laboratórios da UFMT e com a colaboração de professores de escolas de Lucas do Rio Verde e Campos do Rio Verde, os quais investigam os efeitos dos agrotóxicos nos polos produtores de Mato Grosso.

Entre os vários resultados, como descobrir que cidades com maiores produções de grãos – e mais uso de agrotóxicos – a incidência de câncer ser até três vezes maior daquela em municípios sem produção agrícola em larga escala, um dos pontos a chamar a atenção é o fato das águas do Estado estarem contaminadas.

A informação é confirmada pelo Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, volume 46, número 4 de 2015. Nele, já são apontados nove municípios com mais agrotóxicos do que o permitido na água. Todos os analisados possuíam alguma quantidade de agrotóxicos na água.

“Vale lembrar que desde 2011 o Ministério da Saúde permite a presença de 15 metais pesados, 27 agrotóxicos e 7 desinfetantes na águia que bebemos. Em 1977 eram permitidos 12 agrotóxicos e nenhum metal pesados. Estamos sendo cada vez mais permissivos”, exclamou o professor.

UFMT e Fiocruz em xeque

Apesar de todas as pesquisas publicadas em revistas científicas internacionais e nacionais, o ex-ministro Xico Graziano e o professor e medico toxicologista Ângelo Zanaga Trapé, da Unicamp, questionaram a falta de indicadores e dados científicos, apesar de Pignati ter trabalhos publicados e revisados na revista cientifica Lancet, uma das mais importantes publicações da área médica do mundo, tendo 192 anos.

Para Trapé e Graziano, existe muito exagero na situação e faltam pesquisas sobre o assunto, apesar do trabalho da UFMT e da Fiocruz. Para ambos, os agrotóxicos estão longe de se tornar uma ameaça real a saúde pública.

"A situação parece um pouco exagerada. Ouvi em Sorriso que todas as águas de Mato Grosso estão contaminadas. Cadê a pesquisa, cadê o laboratório Ficar só no discurso é fácil. E eu nem vou comentar a questão ideológica que tem por trás disso", argumentou, durante sua palestra.

Já o pesquisador Ângelo Zanata, coordenador da Área de Saúde Ambiental do Departamento de Saúde Pública da Unicamp, focou em questionar planilhas do Sinitox, Sistema Nacional de Informações Toxico Farmacológicas, da Fiocruz, bem como trabalhar a questão da dosagem dos produtos. Segundo ele, os agrotóxicos são tecnologias perigosas que precisam ser bem utilizadas, mas que isso já vem acontecendo.


(Trapé, enquanto ouvia ataques aos agrotóxicos)

"Os automotivos são a tecnologia que mais matam e não vejo ninguém falando em proibi-los. (...) A dosagem é fundamental. E a exposição é muito importante também. Se a pessoa não for exposta tempo suficiente, o agrotóxico se torna praticamente inofensivo a saúde pública", disse, enquanto mostrava slides com os dizeres "Risco = Toxidades x Exposição" e apresentar os números da sua experiência clínica com a saúde de agricultores.

A atitude dos dois levou a um expectador, o pesquisador Jackson Barbosa, do Paraná, a usar a palavra para pedir uma atitude da UFMT e da Fiocruz em nível de evitar ataques a credibilidade da instituição. "Eles estão desdenhando das duas instituições. Em toda discussão pública é a mesma coisa. Isso está ficando feio", asseverou.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Antonio Francisco Martins
    16 Jan 2016 às 14:28

    Boa a matéria, mas faço uma correção: fumo não tem propriedade herbicida e sim inseticida. A nicotina não é panacéia, mas resuz a população de pulgões.

  • Maria Suely Rego Baldaia Vilas Boas Sampaio
    24 Set 2015 às 11:47

    Complexo, triste e dolorida tal situação de uma a expeculação por jogos de interesse apenas de mercado desconsiderando a principal vítima o ser humano que muitas das vezes adestrado não percebe natureza. No curso de biologia em 1998 fiz uma pesquisa sobre a origem do tomate consumido em Cuiabá fui até as lojas veterinárias no primeiro momento como produtora de tomate em busca do produto adequado para minha produção de tomate me indicaram vários produtos sem restrição ao uso, no segundo momento fui como bióloga nem vendiam o produto sem autorização e alguns com muita cautela no uso. Aí vem o gargalo, quem é responsável pela liberação do agrotóxico até seu destino final, não existe regulação para uso se não há está passando da hora do governo refletir na possibilidade de limite , não só na produção monocultura em larga escala como no limite do uso do agrotóxico. ao conversar e resgatar algumas informações com o produtor o mesmo diz que antigamente levava seu tomate natural mas se tivesse alguma cicatriz e ou deformidade no tomate esse era descartado pelo consumidor, houve-se então uma necessidade de se pensar em algo aparentemente bonito desconsiderando qualidade uma vez que na maioria das vezes consumimos pelos olhos , selecionamos o mais gostoso, o que aparenta mais bonito e de preferencia que seja de maior tamanho,e ai revolução verde atendeu a procura e a demanda se estabeleceu sem limites uma vez que aquele produtor que não tinha retorno econômico passou a ver seu produto valorizado uma vez também que a maioria da sociedade não é incentivada a cultivar mesmo porque muitas das vezes não se tem nem onde e como cultivar.E o interesse econômico favoreceu renegando a identidade enquanto ser humano prevalecendo ter para atender e se beneficiar de um mercado econômico inconsequente, digo inconsequente por não levar em conta a importância da variabilidade genética para manutenção da qualidade no que se produz hoje , uma vez que o grande problema não está mais no agrotóxico pulverizado ao solo o maior problema hoje está no agrotóxico que estão nas farmácias em fórmulas de cápsulas como medicamentos receitados pelo médico,se os governantes quiserem podem frear tanto uso de agrotóxico no solo assim forçará ao produtor utilizar alternativas mais saudáveis e resolutas como por exemplo a agua ozonizada adicionada com vinagre, vinagre esse que poderá ser extraído da própria manga, do cajueiro, da própria produção de qualquer alimento que venha a não ser vendido , o que falta a essa gente sofrida no campo é conhecimento de ponta para sair dos pacotes econômicos que apenas beneficia banqueiros internacionais. mas eis a grande questão , esperar comprovação cientifica de universidades que na maioria das vezes não está comprometida com pesquisas que não geram lucro, penso que a politica de governo deve levar a sério a importância do resgate popular e favorecer muitos produtores vítimas do desconhecimento que sonham com um lucro que jamais conseguirão com esse modelo econômico. Atenciosamente Maria Suely Rego Baldaia V B Sampaio

  • MOYSES GALVAO VEIGA
    23 Set 2015 às 19:20

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Gera Palo
    23 Set 2015 às 12:28

    A fala da estudante Giulia toca na origem do problema. O sistema de produção traz consigo esses efeitos colaterais. Ou se muda a forma de produzir ou teremos que conviver com os agrotóxicos. Ela foi mais fundo, pois agricultura é somente um elo do sistema.

  • João Deve Ser Bobo
    23 Set 2015 às 07:54

    “...Darwin afirmou que não estava atacando as escrituras e sim verificando se havia ciência nas escrituras...a UFMT não entendeu o que é democracia ainda?, os seus pesquisadores realizaram uma pesquisa e quando um cidadão, grupo e/ou pesquisador resolver ver o quanto de ciência ha na pesquisa realizada por ela, ela acha ruim, será que ela pensa ser portadora da razão absoluta, será que ela quer que os cidadãos tome os resultados de suas pesquisas como verdades absoluta e rejeite o pensamento critico e investigativo? eu acredito que a UFMT não quer isso, talvez alguns dos seus membros com receio a uma investigação, sim, queira isso. não irei, enquanto cidadão, aceitar ou deixar que tal pensamento não democrático prospere, a ciência deve ser isenta de crenças e ideologia.

  • José Carlos Bazan
    22 Set 2015 às 18:22

    Vale comentar que o Deputado esmurrou a mesa pedido respeito com Mato Grosso e Seu pesquisadores, respeito com a UFMT, e respeito com Escola de Saúde...

  • Carlos Lira
    22 Set 2015 às 18:12

    Muito boa matéria e tema abordado a questão do uso indiscriminado de agrotóxicos é mesmo preocupante. Boa iniciativa deputado mas é preciso bater duro para que mudanças ocorram

  • maria
    22 Set 2015 às 18:01

    Estão acabando com o planeta, esperem para ver o que vai acontecer!

Sitevip Internet