Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 22 de outubro de 2019

Notícias / Agricultura

Uso de agrotóxicos em Mato Grosso deverá ter fiscalização intensificada

Da Redação - Viviane Petroli

04 Set 2015 - 09:37

Foto: Reprodução/Internet/Ilustração

Uso de agrotóxicos em Mato Grosso deverá ter fiscalização intensificada
O uso de agrotóxicos em Mato Grosso deverá ter a sua fiscalização intensificada pelo Governo do Estado. A indicação/sugestão foi apresentada no plenário da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), no último dia 02 de setembro, diante a necessidade de regulamentação do artigo 46 da Lei 7.862/2002, que proíbe a produção, o transporte, armazenagem, comercialização e utilização de produtos agrotóxicos, componentes e afins cujos elementos ativos tenham sido proibidos nos países de origem.

De acordo com o parlamentar, a proposta do artigo 46, da referida Lei, ainda não foi regulamentado passados 13 anos. Gilmar Fabris destaca que "nenhuma providência foi adotada pelo Poder Executivo para o cumprimento do referido artigo".

Leia mais:
Conab projeta produção de 51,2 mi/t de grãos para Mato Grosso; 24,5% da safra nacional

Mato Grosso é o principal produtor de grãos do Brasil. Em estimativa da Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), em agosto, para o ciclo 2014/2015 é uma produção de 51,202 milhões de toneladas em Mato Grosso, um crescimento de 3,5 milhões de toneladas em relação à safra passada.

Conforme levantamento do Sistema Campo Limpo (logística reversa de embalagens vazias de agrotóxicos), realizado pelo inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), Mato Grosso registrou um aumento de 7% na destinação de embalagens em relação a 2015, de 5.475 toneladas para 5.841 toneladas.

“São produtos nocivos à saúde. Tanto que a comercialização nos países onde são fabricados é proibida. Então, não podemos permitir que esses agrotóxicos sejam comercializados em nosso estado. Pois, colocam em risco à saúde da população e o meio ambiente”, pontuou Fabris.

No Plenário da Assembleia Legislativa o deputado Gilmar Fabris sugeriu, ainda, a regulamentação da Lei e lembrou que há produtos liberados no mercado que podem substituir os perigosos, apesar de serem mais caros. Existe a argumentação que os substitutos são mais caros, mais indagamos: qual é o preço da saúde de nossa população?”.

A indicação do parlamentar será enviada para as Secretarias de Estado de Meio Ambiente (Sema) e de Saúde (SUS), bem como ao Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea) e à Procuradoria Geral de Justiça.

Na lista dos itens com princípios ativos proibidos no país de origem constam os produtos: abamectina, acefato, carbofurano, cihexatina, endossulfam, forato, fosmete, glifosato, lactofem, metamidofós, paraquate, parationa metílica, tiram e triclorfom.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jair gomes de souza
    06 Set 2015 às 05:34

    Temos muitas coisas que precisam serem Fiscalizadas imediatamente e colocarem em prática senão o que teremos será um grande deserto sem ter uma árvores sequer nestes labirintos desmatados diariamente pelos nossos plantadores de lavouras mecanizadas por este nosso Mato Grosso! Hoje o que mais temos são estes venenos esparramados sobre os produtos que ingerimos dia a dia! Eu só procuro uma coisa,o que será de nós com tantos venenos que ingerimos por estes senários drásticos que vemos no nosso dia a dia com estas jogatinas de venenos sobre as lavouras? Vocês acham que não nos fazem mau? São tantas doenças que aparecem dia a dia, que deveriam nos darem uma explicação mas detalhadas,más aparecem? Duvido?nós estamos sendo envenenados com estes sistemas de tantos e tantos agrotóxicos esparramados sobre as lavouras! Acordem,pode ser você a próxima Vítima destes desmazelos que sofremos perante nossas vigilâncias que até o momento não vemos resultados algum! Só sabem fazer é ficarem a olhar os bombeamentos nas lavouras de todas as fórmulas por eles praticadas,acabando com nossos campos e matas e a acabarem com os nossos leitos das nossas águas,secando e envenenando com agrotóxicos de todas as espécies! E principalmente nós que ingerimos os produtos por eles plantados! Sou leigo,más não Burro,os que si dizem entenderem e formados, não levanta uma palha quanto a estes desastres acontecendo dia a dia!

  • toto
    04 Set 2015 às 16:50

    muitas pessoas já estão mortas e outras já estão na fila da morte e não sabem que o matador se chama AGROTÓXICO.

  • Artenio Campos
    04 Set 2015 às 13:25

    O NORTE DO ESTADO DE MT, ESTÁ CONTAMINADO POR VENENO. E A POPULAÇÃO NÃO TEM IDEIA DA GRAVIDADE DO ASSUNTO. E MUITOS VÃO MORRER DE CANCER SEM SABER.

  • Artenio Campos
    04 Set 2015 às 13:23

    O PROBLEMA DE AGROTOXICOS EM MT É GRAVISSIMA. E FISCALIZAÇÃO É INSUFICIENCE MUITAS PESSOAS VAO MORRER DE CANCER SEM SABER, ESSE DANO É INERENTE AS CONDIÇOES DE APLICAÇÕES DE VENENO.

  • ARTNEIO CAMPOS
    04 Set 2015 às 13:21

    O ESTADO DE MATO GROSSO, É O QUE MAIS CONSOME AGROTOXICO NO BRASIL, E POR ISSO PAGA CARO COM A CONTAMINAÇÃO DE LEÇOL FREÁTICOS, CURSOS DE ÁGUA, SOLO, FAUNA E A POPULAÇÃO. OS DIVERSOS TIPOS DE CANCER, COM CERTEZA TEM SUA ORIGEM EM SUBSTANCIAS TOXICAS UTILIZADAS DE FORMA INDISCRIMINADA NO NORTE DE MT.

  • Ilse
    04 Set 2015 às 13:16

    O certo é boicotar esse tipo de produto e migrar para o uso de orgânicos, que são mais caros mas em compensação evita os gastos com médicos e remédios. A boa saúde com certeza passa pela mesa.

Sitevip Internet