Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Notícias / Meio Ambiente

Metade da reserva indígena Marãiwatsédé já pegou fogo este ano

De Sinop - Alexandre Alves

14 Ago 2015 - 08:00

Foto: Prevfogo

Metade da reserva indígena Marãiwatsédé já pegou fogo este ano
Incêndios avançam sobre a terra indígena Marãiwatsédé, principalmente nas áreas próximas à sede do município de Alto Boa Vista (1,1 mil km a Nordeste de Cuiabá), segundo denúncia das organizações não governamentais (ONGs) Operação Amazônia Nativa (Opan) e Instituto Socioambiental (ISA). Conforme as imagens de satélite, quase 50% dos 165,2 mil hectares já pegaram fogo este ano.

As ONGs suspeitam que os incêndios sejam criminosos, pois novos focos surgem a cada dia, mesmo com o trabalho de vigilância de equipes de brigadistas. “O fogo está ameaçando o modo de vida e a integridade física dos índios Xavante, pois impacta a biodiversidade da região e põe em risco toda a população do entorno”, informou a Opan, em nota.

Leia mais:
Fazendas são denunciadas por desmate em Marãiwatsédé
Juiz federal determina queima de lavoura na TI Marãiwatsédé

Desde o dia 24 de julho de 2015, equipes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e uma brigada do Prevfogo/Ibama estavam na região apenas para proteger áreas essenciais à fundação de novas aldeias, plantios e gado para alimentação dos indígenas. “Não houve combate a todos os focos por falta segurança para os servidores”, diz a assessoria.

O coordenador da brigada de Bordolândia do Prevfogo, Sandro Benevides do Carmo, defende que como os incêndios seriam criminosos e há um forte clima de conflito na região, os brigadistas precisam de segurança policial para atuar. “Não temos poder de polícia. Houve uma orientação de Brasília para que não nos colocássemos em risco até que a Funai conseguisse apoio da polícia”, disse.

Benevides afirma, ainda, que os brigadistas não têm recursos e nem pessoal suficiente para combater o fogo, por isso estavam somente protegendo áreas indicadas pelos Xavante como estratégicas. A brigada se retirou da área na noite da ultima segunda-feira (10) e aguarda ordens para retomar os trabalhos.

Para o coordenador regional da Funai em Ribeirão Cascalheira, Alexandre Croner, a situação é grave e pede intervenção urgente. “Estão atentando contra a vida dos indígenas. Isso é caso de polícia e a impunidade só aumenta as possibilidades de outros crimes como esse”, afirma.



O mapa mostra em amarelo/vermelho os focos de incêndio na Marãiwatsédé entre os dias 7 e 9 de agosto de 2015. No dia 9 eram mais de 3000 focos identificados. A característica e a localização desses focos, próximos às estradas e em áreas pouco acessadas pelos indígenas indicam, segundo o Ibama, que os mesmos são de origem criminosa.

A Funai deve entrar com um pedido formal junto à Polícia Federal para abertura de inquérito, solicitando a investigação e responsabilização dos mandantes e executores dos incêndios ainda nesta semana. Além disso, o órgão indigenista e os Xavante solicitam que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) inicie uma operação de fiscalização na BR-158 para evitar a entrada de invasores. Eles apresentarão também uma denúncia ao Ministério Público Federal, no município de Barra do Garças, informa a assessoria.

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • paulo matos
    14 Ago 2015 às 22:47

    O QUE ESTA ACONTECENDO E A FALTA DE ACEIRO,A TERRA ESTA ABANDONADA,CAPIM ALTO,TEMPO SECO,QUENTE,ATE UM CACO DE VIDRO VIRA COMBISTIVEL,PRA PEGAR FOGO E ESSA CONVERSA QUE SO TEM FOGO PERTO DE ESTRADA E DA CIDADE DE ALTO BOA VISTA,E TUDO MENTIRA PASSEI,PELA SUIA ESSA SEMANA VINDO DE VILA RICA O FOGO É GERAL,O VENTO ESTA ESPALHANDO O FOGO!!

  • Arquimedes David de Resende
    14 Ago 2015 às 22:39

    Todo ano é a mesma coisa, Ongs e Organizações falam e bota à culpa em incêndios criminosos, ninguém vê que a cultura indígena e esta de colocar fogo em circulo, fechando os animais para poderem abatê-los mais facilmente, não venham me contradizer, fui criado junto das aldeias deles em São Marcos, Barra do Garças MT.

  • MORTAL
    14 Ago 2015 às 19:15

    Convoquem servidores do IBAMA, FUNAI, MPF, CHICO MENDES E OS ÍNDIOS INTERESSADOS PARA TODOS JUNTOS COMBATEREM OS INCÊNDIOS. NÃO FORAM TODOS ESSES ÓRGÃOS QUE FALARAM GROSSO PARA A DESOCUPAÇÃO DA ÁREA? POR QUE ESSA ONG "DO BEM" NÃO SE PREOCUPA COM MILHARES DE PESSOAS QUE ESTAVAM LÁ PRODUZINDO E HOJE ESTÃO SEM LUGAR PARA MORAR E ALGUMAS PASSANDO FOME? QUER SABER A VERDADE? BEM FEITO !!!!!! APAGUEM O FOGO!

  • Dlj
    14 Ago 2015 às 15:39

    As autoridade.tm medo deles kkkkkkkkkkk

  • Dlj
    14 Ago 2015 às 15:38

    Quem pos fogo ??????????????_ kkkkkkkkkkkkkkkk

  • Sebastião
    14 Ago 2015 às 15:02

    Índios colocam fogo em suas reservas todos os anos. Utilizam queimadas para caçar, é prática comum. As reservas que ficam as margens da BR 70 em General carneiro queimam todos os anos. Os fazendeiros que tem terras próximas as reservas ficam em alerta todos os anos.

  • José Carlos
    14 Ago 2015 às 13:47

    É o mínimo que estas pessoa podem fazer para diminuir seu sentimento de revolta com um governo truculento e irresponsável desse. Se eu morasse la perto eu ajudaria.

  • Alexandre
    14 Ago 2015 às 10:25

    Proprietários ou invasores?

  • Heródoto
    14 Ago 2015 às 09:00

    Se os proprietários estivessem lá produzindo, não existia fogo, e sim alimentos, renda, exportação!

Sitevip Internet