Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 27 de junho de 2022

Notícias | Tecnologia

Tecnologia ajuda os agricultores do sertão de PE a atravessar a seca

Algumas tecnologias simples de armazenamento de água estão permitindo que agricultores de uma região de Pernambuco convivam bem com a seca.

Um sítio cercado de flores em Araripina, no sertão de Pernambuco, chama a atenção. Quem vê o quintal cheio de canteiros com frutas, verduras e legumes não imagina que toda esta fartura está em uma região devastada pela seca.

A explicação para o oásis em pleno território da seca está no fundo do quintal: uma cisterna calçadão, capaz de armazenar 52 mil litros de água da chuva. Graças a um conjunto de tecnologias simples, baratas e eficazes, é possível minimizar os efeitos da seca e atravessar a estiagem mais severa com menos sofrimento.

Quando chove, a cisterna armazena a água que cai em um calçadão feito com placas de cimento, como se fosse um funil. Esta água é utilizada para plantar e fica em um lugar diferente da água armazenada para consumo.

Outra fonte de renda importante para Eliete Macedo são as galinhas caipiras com a incessante produção de ovos. Com comida e água no sítio, elas não se abalaram, assim, a mesa está sempre farta na casa da agricultora e ela sabe que tudo isso é possível graças aos mecanismos de convivência com a seca.

Outra tecnologia recém-implantada é a cisterna enxurrada. Ela é construída na parte mais baixa do terreno, no trajeto da água que escorre da chuva. Pode armazenar 52 mil litros de água. Caixas de cimento servem como decantadores para filtrar as impurezas. O estoque de água serve para plantar e para o consumo animal.

Outra alternativa é o barreiro trincheira, uma construção com 28 metros de comprimento e 4 metros de profundidade. Trata-se de um buraco mais profundo e mais estreito que os outros reservatórios comuns na região. Nestas condições, a evaporação é menor e uma outra vantagem é que dentro do buraco cabem até 500 mil litros de água.

O barreiro foi construído no sítio de Cícera Martins, que está muito satisfeita.

Disposição nunca falta para esta gente. E quando a tecnologia ajuda, tudo o que se planta dá e até o improvável acontece, como produzir morangos no sertão, desafio que Maria Eliete de Brito encarou com a maior categoria.

Armazenando água para beber e plantar, assegurando o estoque de comida para os animais, o sertanejo consegue conviver dignamente com a seca.

A construção das cisternas é um trabalho da organização não-governamental Chapada. O dinheiro vem do programa "Água Para Todos".

Até agora, foram entregues 490 cisternas e, no ano que vem, a inteção é dobrar este número.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui
Sitevip Internet