Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 28 de setembro de 2021

Artigos

Por que incomoda tanto?

Autor: Luciano Vacari

21 Jun 2021 - 08:00

 
Sempre que uma alternativa produtiva é colocada em evidência no mercado, questionamentos começam a ser feitos sobre a eficiência, relevância, custos e impactos relacionados à utilização do recurso. É natural que seja assim e é importante, pois é da inquietude que vem a perfeição, ou a aproximação dela.

Com a agricultura irrigada não é diferente. Apesar de ser uma técnica extremamente antiga, estudos sobre o assunto passaram a ganhar mais adeptos em busca de melhorar os resultados no campo. E os dados impressionam. Aumento da produtividade, resistência aos fatores climáticos, melhoria de renda e até geração de empregos estão entre os principais argumentos positivos.

A modalidade vem ganhando corpo e pesquisadores, governos e produtores estão corroborando para que a técnica cresça no país. Apesar da liderança na produção de grãos, carnes e outros alimentos, o Brasil possui apenas 8% de suas lavouras com uso de irrigação. Um número muito pequeno perto do potencial existente.

A agricultura irrigada traz mais benefícios do que apenas ganho produtivo, em algumas regiões ela pode ser a única alternativa para a produção de alimentos, como é caso de regiões muito suscetíveis a secas. O que falta no país é uma legislação mais segura, capacitação e planejamento.

Com o respaldo legal, os produtores rurais poderiam fazer investimentos para implantar a irrigação agrícola de forma realmente eficaz. Adotar o manejo de recursos hídricos, diferentemente do que muitos pensam, representa economia, tanto de água quanto de capital. A assistência técnica e o planejamento podem otimizar o uso dos recursos naturais de acordo com as necessidades de cada produção, evitando desperdício e melhorando o desempenho.

Estamos passando por um período de valorização no preço do milho e da soja influenciada, em parte, pela falta de chuva na época do plantio. Este aumento no valor dos grãos tem consequências em outras cadeias produtivas, como de carnes e energia e chega até os bolsos dos consumidores.

Com a adoção das tecnologias hídricas seria possível trabalhar com maior previsibilidade produtiva, evitar grandes impactos econômicos provocados pela escassez de produtos e ainda ampliar o total produzido para abastecimento interno e externo.

Precisamos colocar em pauta aquilo que tanto assusta, seja por falta de debate, conhecimento ou até mesmo preconceito. Estar frente a frente com o desconhecido pode ser uma oportunidade de ir adiante, e não motivo para dar um passo atrás. A agricultura irrigada traz segurança alimentar, equilíbrio na utilização dos recursos naturais, melhora a renda do produtor e gera empregos no campo e na cidade. É a definição perfeita de sustentabilidade, economicamente viável, socialmente justa e ambientalmente correta. Então, por que incomoda tanto?
 
Luciano Vacari é gestor de agronegócios e diretor da Neo Agro Consultoria
Sitevip Internet